transporte-inovador-2024-rede-brasil-inovacao-esg-ia-ntc-logisitica-cnt-comjovem-sest-senat-sp-setcesp-setcergs-fetransul-aldo-rosa-1
rede-rs-cidade-2024-brasil-inovador-rio-grande-sul-aldo-rosa-ceo-reconstrucao-doacoes-resgate-acolhimento-abrigo-municipio-enchente-randoncorp-daniel-instituto-elisabetha-randon

Na Federasul, Aeromot anuncia a retomada do protagonismo do RS na aviação

Na Federasul, Aeromot anuncia a retomada do protagonismo do RS na aviação

Novo complexo AEROCITI terá investimentos de R$ 3 bilhões e será construído no antigo terreno da Ford, em Guaíba e vai gerar 3 mil empregos diretos.

A nova fábrica de aviões da Aeromot, que será inaugurada no início de 2025, representará a retomada do protagonismo do Rio Grande do Sul na aviação. O anúncio do novo investimento, equivalente a R$ 3 bilhões em todo complexo, foi feito no Tá na Mesa, da FEDERASUL, pelo CEO da Aeromot, Guilherme Cunha e a COO da empresa, Cristiane Cunha que apresentaram a parceira com a empresa austro-canadense Diamont para a fabricação em solo gaúcho do modelo DA62, bimotor com capacidade para sete pessoas e consumo 60% inferior de combustível. Será a quarta fábrica de aviões da empresa no mundo. Já existem unidades no Canadá, na Áustria e na China.

Além da fábrica de aeronaves, o empreendimento Aero Centro Integrado de Tecnologia e Inovação (AEROCITI), que prevê investimentos de R$ 3 bilhões em infraestrutura e tecnologia e a geração 3 mil empregos diretos e indiretos e faturamento de R$ 2 bilhões, trará como benefício a atração de outros investimento e empresas globais para o Estado. O complexo ocupará a antiga sede da Ford no município de Guaiba. “Trata-se de um grande complexo para o desenvolvimento tecnológico”, afirmou Guilherme Cunha.

A nova fábrica da Aeromot deverá entregar os primeiros aviões no início de 2025. O empresário adiantou que já estão vendidas as aeronaves que serão produzidas nos primeiros três anos de atividade da empresa. A estimativa é de colocar no mercado nos próximos anos cerca de cem aeronaves do modelo que será comercializada por R$ 2,2 milhões. Cunha revela que o público de maior interesse na aquisição são empresários com destaque para o segmento do agronegócio.

Cristiane Cunha destacou que o mercado de aviação geral no Brasil cresce 3,2% ao ano, e atingirá uma receita de R$ 3,4 bilhões em 2025. Ela destaca que a vasta extensão territorial do Brasil torna a aviação uma necessidade para viagens de longa distância, o que cria uma demanda constante por serviços de aviação. “O Brasil tem potencial para se tornar um dos principais players no setor de aviação mundial”, acrescentou.

O presidente da FEDERASUL, Rodrigo Sousa Costa, que coordenou o evento, destacou que o trabalho dos irmãos Cunha é uma inspiração para os gaúchos. O secretário de Desenvolvimento Econômico do Estado, Ernani Polo, convidado para participar do debate final do Tá na Mesa, disse que o Rio Grande do Sul, nos últimos anos, vem criando melhores condições para o empreendedorismo.

Homenagens

No início do Tá na Mesa, a FEDERASUL prestou homenagem a três entidades filiadas. O presidente Airton Leonardo Wilhelm recebeu a placa alusiva aos 40 anos da ACISA Agudo. Wilhelm agradeceu à FEDERASUL por contribuir para o desenvolvimento da região.

O presidente Marlon Bissani Cucchi recebeu a homenagem pelos 60 anos da ACIM Marau. “Entidades fortes fazem um Estado forte”, afirmou.

E, por último, o presidente Eduardo Soares recebeu a placa pelos 125 anos da ACIBA Bagé. ”Tenho muito orgulho de estar presidindo a entidade nessa data tão significativa da entidade”, argumentou.

https://www.federasul.com.br/