transporte-inovador-2024-rede-brasil-inovacao-esg-ia-ntc-logisitica-cnt-comjovem-sest-senat-sp-setcesp-setcergs-fetransul-aldo-rosa-1
transporte-inovador-2024-rede-brasil-inovacao-esg-ia-ntc-logisitica-cnt-comjovem-sest-senat-sp-frotas-conectadas-aldo-rosa-3
transporte-inovador-2024-rede-brasil-inovacao-esg-ia-ntc-logisitica-cnt-comjovem-sest-senat-sp-seminario-itinerante-belo-horizonte-aldo-rosa-4
rede-brasil-inovador-2024-inovacao-esg-ia-innovation-trends-brazil-cni-cna-cnc-hub-startups-web-summit-rio-janeiro-rj-melanie-nakagawa-microsoft-itau-aldo-rosa-1
AGRISHOW

Ministro dos Transportes participou de seminário que reuniu gestores públicos, parlamentares e acadêmicos

Ministro dos Transportes participou de seminário que reuniu gestores públicos, parlamentares e acadêmicos

RENAN FILHO RESSALTA A IMPORTÂNCIA DO INVESTIMENTO EM VEÍCULOS MAIS SUSTENTÁVEIS PELA DESCARBONIZAÇÃO NO SETOR

Ministro dos Transportes participou de seminário que reuniu outros gestores públicos, parlamentares e acadêmicos nesta terça-feira (19), em Brasília

Atento ao impacto que os projetos de infraestrutura têm na vida das pessoas, no meio ambiente e nas comunidades originárias, o ministro dos Transportes, Renan Filho, participou nesta terça-feira (19), de um seminário, em Brasília, com foco em políticas voltadas para o processo de descarbonização do país.

O ministro foi um dos convidados do painel “O Protagonismo do Brasil na Transição Energética”, que debateu os desafios de manter o país como um polo mundial de produção e desenvolvimento de tecnologia automotiva no mundo. “O Brasil é modelo para o mundo em geração de energia limpa, com uma frota em que aproximadamente 85% dos veículos são híbridos. Certamente é o país que menos emite carbono na média por veículo utilizado por cidadão porque a gente já incorpora na gasolina um percentual de etanol que está em crescimento”, avaliou o ministro Renan Filho, durante o seminário.

O desenvolvimento alinhado à sustentabilidade é uma das principais diretrizes dos programas desenvolvidos pelo Ministério dos Transportes, que mantém a expectativa de levar a leilão neste ano 13 projetos rodoviários, o que representa a injeção de mais de R$ 122 bilhões em recursos privados nas rodovias federais enquanto durarem os contratos.

Um dos exemplos da preocupação da pasta com o tema é o fomento à tecnologia free flow nos novos contratos de concessão. O sistema substitui as tradicionais praças de pedágio nas rodovias, diminuindo a aceleração e desaceleração de veículos, e contribuindo, dessa forma, com a descarbonização.

Outra prioridade do governo é a descarbonização em veículos pesados.

“Acabamos de aprovar uma resolução do Contran permitindo o afastamento de eixos para caminhões de grande porte a fim de permitir o uso de tanques maiores para garantir mais autonomia com o uso do gás natural liquefeito. Isso vai permitir a ampliação da produção de caminhões a gás natural no Brasil e colaborar para a redução de emissões”, informou Renan Filho.

O envolvimento e a troca de experiências entre as diversas áreas de atuação do Governo Federal, fundamental para que esse objetivo seja atingido, ficaram evidenciados no evento desta terça-feira. Estavam presentes no encontro, organizado pelo Grupo Esfera Brasil, o vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços, Geraldo Alckmin; os ministros da Fazenda, Fernando Haddad; da Secretaria de Comunicação Social, Paulo Pimenta e o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Aloizio Mercadante. O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, parlamentares, acadêmicos e representantes da iniciativa privada também participaram do debate.

Infraestrutura sustentável

A agenda voltada à descarbonização no setor de transportes vem sendo discutida como prioridade pelo Ministério dos Transportes desde o início da gestão. Em dezembro de 2023 o secretário nacional de Transporte Ferroviário, Leonardo Ribeiro, esteve na COP28 (Conferência do Clima da Organização das Nações Unidas), em Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, onde teve a oportunidade de destacar o potencial das ferrovias na busca de uma cadeia logística mais sustentável. “A principal oportunidade para descarbonizar o setor de transportes brasileiro é apostar em um maior equilíbrio na matriz de transportes, priorizando modais que emitam menos gases de efeito estufa, como ferroviário e hidroviário. Neste esforço, a conclusão das principais obras de infraestruturas do país ligadas à adoção de novas tecnologias poderá gerar até 13,7% menos emissões de poluentes provenientes do transporte de mercadorias” explicou o secretário à época.

Brasil-Alemanha

Ainda em 2023, os governos do Brasil e da Alemanha firmaram um acordo pela transição energética sustentável com foco no segmento de transportes. O “Memorando de Entendimento sobre o Estabelecimento de Diálogo Estratégico de Alto Nível sobre Ambição e Ação Climática” contou com a colaboração do corpo técnico do Ministério dos Transportes. A cooperação bilateral Brasil-Alemanha envolve mais de 50 iniciativas, entre projetos regulares e atividades desenvolvidas no Brasil, resultantes de programas regionais e globais da cooperação alemã, em quatro áreas principais: florestas; energias renováveis e eficiência energética; desenvolvimento urbano sustentável e educação vocacional.